Beyoncé, ‘Black Is King’ e o afrofuturismo

O afrofuturismo trata de uma estética que questiona o presente e projeta o futuro a partir da perspectiva negra africana e diaspórica. O conceito teve como um dos seus precursores o Sun Ra. Músico americano, ele ficou conhecido nos anos 1960 e influenciou gerações não só pelos seus mais de 200 discos, como por uma ideologia que misturava influências da Bíblia, do Egito Antigo e do espaço sideral. O novo episódio do Expresso Ilustrada analisa a presença do afrofuturismo desde os primórdios, como o Sun Ra, até o mais recente álbum visual “Black Is King”, em que Beyoncé leva o espectador para um imaginário futuro e, para isso, ela usa elementos da ancestralidade. Para discutir o assunto, o podcast conta com a participação de Morena Mariah, pesquisadora e criadora da plataforma de educação e podcast Afrofuturo, Fábio Kabral, autor de obras como “A Cientista Guerreira do Facão Furioso” (ed. Malê), Daniela Gomes, que é doutora em estudos africanos e da diáspora africana, e o Jairo Malta, diagramador e autor do blog Sons da Perifa, na Folha.


Com Agências

Tags .Adicionar aos favoritos o Link permanente.