Carga de arroz em navio é retida no porto de Imbituba por estar com insetos vivos

Uma carga de 19,6 mil toneladas de arroz em casca foi retida em um navio no porto de Imbituba, por estar contaminada com insetos vivos. O “Amaliya”, que partiu do porto de Georgetown, na Guiana, atracou no sábado. O nome da trading que fez a compra não foi divulgado, mas, do total, 16 mil toneladas são destinadas à Urbano.


O negócio foi estimulado pela isenção de Tarifa Externa Comum (TEC) para importações de até 400 mil toneladas do cereal de fora do Mercosul, uma tentativa do governo de frear a escalada dos preços domésticos. No caso do arroz em casca, a TEC era de 10%.
Segundo a assessoria de imprensa do porto, inspeção do Ministério da Agricultura identificou os insetos, vivos, no carregamento, o que impediu o início da operação portuária.
“A embarcação está recebendo o devido tratamento fitossanitário e deve aguardar até que atenda as exigências do ministério. As medidas fitossanitárias determinadas pelo ministério são padrão na importação de cargas de interesse agropecuário, e têm por objetivo proteger a agricultura brasileira do ingresso de espécies exóticas ao nosso ecossistema”, informou o Porto.
Procurada, a Urbano informou que fez a compra porque o arroz da Guiana é similar ao brasileiro. Renato Franzner, diretor comercial da empresa, afirmou que o produto foi “devidamente tratado” e que até o próximo dia 20 deverá será liberado para descarga. Antes de chegar ao consumidor, ainda será beneficiado.
Há mais cargas de arroz sendo esperadas. Em Imbituba, a programação mostra que o navio “Ekaterina” está fundeado com 18,8 mil toneladas do cereal vindo dos EUA. Ainda são esperados dois navios com arroz para a primeira semana de dezembro – um deles com 27 mil toneladas, egresso da Tailândia, e outro com 9,5 mil toneladas vindo dos EUA.
De janeiro a outubro, o Brasil importou 675 mil toneladas de arroz em casca, 6,8% mais que nos dez primeiros meses de 2019. As exportações somaram 1,7 milhão de toneladas no período, alta de 57,4%.

Tags , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.