Coreia do Norte força famílias a doar cães de estimação, diz jornal sul-coreano

Alguns são abatidos, outros enviados para zoológicos estatais ou vendidos para restaurantes que comercializam esse tipo de carne. Governo não confirmou a informação. Foto de 25 de novembro dos seis filhotes da cachorra Gomi, dada de presente por Kim Jong-un ao presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, proibiu em julho a posse de cães de estimação, de acordo com o jornal sul-coreano “Chosun Ilbo”. O governo não confirmou a informação.
Uma fonte disse ao jornal que as autoridades estão forçando as famílias a se desfazerem dos bichos ou confiscando-os à força. Alguns são abatidos, outros enviados para zoológicos estatais ou vendidos para restaurantes que comercializam esse tipo de carne.
O governo alegou que a criação dos cães se trata de uma tendência “contaminada pela ideologia burguesa” e alardeou a medida como uma proteção do país contra a “decadência capitalista”.
Porém, o periódico avalia que a determinação parece ser destinada a apaziguar o crescente descontentamento público em meio à grave crise econômica.
Símbolo de status
A posse de cães é um hábito da elite norte-coreana. A fonte que conversou com o jornal contou que as “pessoas comuns criam porcos e gado em seus quintais, mas funcionários de alto escalão e os ricos têm cães de estimação”.
Ainda segundo o jornal, a posse desses animais foi por muito tempo considerada uma decadência ocidental. Porém, depois que o país sediou o Festival Mundial da Juventude em 1989, a elite de Pyongyang começou a exibir cachorros de estimação caros como símbolo de status.
Sem comentários oficiais
A proibição de criar cães de estimação não foi confirmada por autoridades da Coreia do Norte, que é um país muito fechado e conhecido por controlar rigidamente a divulgação de informações. Muitas notícias veiculadas na imprensa internacional sobre o país muitas vezes não têm como serem checadas de imediato.
Recentemente, a ausência de Kim em eventos oficiais gerou rumores sobre seu estado de saúde. Os Estados Unidos chegaram a afirmar que ele tinha passado por uma cirurgia cardiovascular, mas a informação nunca foi confirmada por Pyongyang.
A declaração de Kim Jong-un de que seu país não tinha registrado nenhum caso de Covid-19 também foi vista com desconfiança pela comunidade internacional dada a sua proximidade com a China, país onde surgiu a pandemia.
Em 2014, também circulou a informação de que todos os homens norte-coreanos eram obrigados a usar o mesmo corte de cabelo de Kim Jong-un — um topete repartido ao meio e as laterais e a parte de trás da cabeça totalmente raspadas. No entanto, visitantes relataram não ter visto isso nas ruas do país.
Em 2013, noticiou-se o assassinato de uma ex-namorada de Kim Jong-un, que reapareceu em um encontro nacional de artistas em Pyongyang no ano seguinte.
Símbolo de status
A posse de cães é um hábito da elite norte-coreana. A fonte que conversou com o jornal contou que as “pessoas comuns criam porcos e gado em seus quintais, mas funcionários de alto escalão e os ricos têm cães de estimação”.
Ainda segundo o jornal, a posse desses animais foi por muito tempo considerada uma decadência ocidental. Porém, depois que o país sediou o Festival Mundial da Juventude em 1989, a elite de Pyongyang começou a exibir cachorros de estimação caros como símbolo de status.

Tags , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.