Coronavírus: SC pode chegar perto de 3 mil mortes por covid-19 nas próximas três semanas, diz Secretário Estadual de Saúde

O número de mortes causadas pela Covid-19 pode chegar perto de 3 mil nos próximos 20 dias em Santa Catarina. A projeção foi apresentada pelo secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, nesta segunda-feira (3), em audiência pública da Comissão Especial da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) que acompanha os gastos do governo do Estado durante a pandemia do novo coronavírus.

O cálculo considera o pior dos três cenários projetados pelo Estado para este mês de agosto. Segundo o secretário, isso ocorreria “se nada for feito ou se nossas ações não forem efetivas”. Nesse caso, Santa Catarina chegaria ao dia 23 de agosto com 2,8 mil mortes por covid-19, mais do que o dobro que o número atual, que é de 1.196. O Estado precisou de mais de quatro meses de pandemia para chegar à marca de 1 mil óbitos pela doença.

O cenário mais suave prevê que o Estado chegue ao dia 23 de agosto com 1,9 mil óbitos por covid-19. Um dos principais problemas é a taxa de isolamento social do Estado, que ainda está aquém do que o Estado considera ideal para combater o contágio da covid-19.

“O gráfico nos mostra o índice de isolamento entre 30% e 40%, e em tese há uma relação direta entre o índice de isolamento social e o impacto de óbitos dentro do Estado”, afirmou o Secretário.

Estado destaca abertura de 180 leitos de UTI

A audiência buscou discutir os gastos do governo no combate à pandemia e as ações tomadas pelo governo do Estado. Durante o discurso de abertura e em respostas dadas a prefeitos e deputados estaduais, o secretário Motta Ribeiro destacou medidas adotadas pelo governo para tentar frear o avanço da doença e oferecer atendimento aos casos mais graves.

Uma das principais ações é a estruturação de cerca de 180 novos leitos de UTI em hospitais de todo o Estado. Atualmente, a taxa de ocupação de vagas de terapia intensiva em Santa Catarina é de 82,49%. Desde o início da pandemia o Estado criou 580 leitos.

O secretário também anunciou a entrega de 557 equipamentos como respiradores e monitores multiparâmetros para estruturação da rede hospitalar.

Prefeitos relatam dificuldades

Durante a audiência prefeitos também relataram dificuldades de compra de insumos, que segundo o Estado se devem a uma desregulação do mercado como um todo no momento atual. O prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli, também destacou a redução na ocupação de leitos que a região Sul enfrentou após nove dias de medidas de restrição mais severas, e cobrou que o Estado adote essas ações em áreas de risco gravíssimo.

“Quando uma região entra em situação gravíssima, se os municípios não adotarem medidas, entendo que governo do Estado precisa ter um protocolo e fazer isso acontecer”, pressionou.

Estado empenhou R$ 335 milhões em ações contra a covid-19

A audiência pública também serviu para apresentar números das despesas assumidas pelo Estado para implantar as ações de combate à covid-19. Desde o início da pandemia Santa Catarina já empenhou R$ 335 milhões para ações relacionadas à doença. Desse número, R$ 229,7 já foram liquidados – quando o serviço já foi efetivamente prestado. Os números são atualizados até 31 de julho.

O Estado também informou já ter recebido R$ 232,4 milhões de recursos externos. Desse valor, a principal parte veio do governo federal – R$ 177,1 milhões. Um total de R$ 139 já foram comprometidos com despesas já executadas ou empenhadas, e outros R$ 38,1 milhões restam de saldo a ser usado pelo governo. Outras doações como as recebidas da Alesc, do Tribunal de Contas do Estado (TCE-SC) e do Tribunal de Justiça de SC (TJ-SC) também entram nessa conta.

O secretário de Estado da Fazenda, Paulo Eli, disse que o Estado faz um planejamento de reserva para custear ações contra o coronavírus pelos próximos 12 meses.

“O equilíbrio entre saúde e economia que o governo está fazendo em Santa Catarina está fazendo com que não faltem recursos para o combate ao coronavírus”, assegura.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.