Em uma semana, Acre confirma 1.774 novos casos de Covid-19


Dados são de casos confirmados entre os dia 14, véspera das eleições, e dia 21 conforme os números divulgados diariamente pela Sesacre. Acre tem mais de 34 mil casos de Covid-19 confirmados
Divulgação
Em um período de uma semana, o estado do Acre registrou 1.774 novos casos de Covid-19. Os dados são dos boletins divulgados diariamente pela Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) e correspondem ao dia 14, véspera das eleições, até dia 21.
Um dia antes da votação, o estado registrou 330 novos casos de infectados. Nesse sábado (21), o número de novos atingidos pela Covid-19 foi de 189. No total, o estado acreano tem 34.435 infectados pela doença.
A Covid-19 já fez 713 vítimas fatais no Acre. Ao todo, 29.940 pessoas já receberam alta médica da doença. O número de exames aguardando análise continua alto, chegando a 552 neste sábado.
Veja como estão os casos de Covid-19 em cada cidade
MÉDIA MÓVEL: veja em que estados as mortes estão subindo, em estabilidade ou em queda
O estado está em contaminação comunitária desde o dia 9 de abril, com uma taxa de incidência de 3.938,2 casos para cada 100 mil habitantes e a de mortalidade é de 81,5 para o mesmo grupo. Já a letalidade está em 2,1%.
População relaxa nos cuidados
Com mais de 34,4 mil casos de Covid-19 registrados no Acre desde o início da pandemia e com o registro de novo aumento de diagnósticos nas últimas semanas, a população acabou relaxando nos cuidados de prevenção e combate à doença.
Além das medidas de segurança pública, o cuidado pessoal é essencial para a prevenção do vírus, como o uso da máscara, álcool em gel e o distanciamento. Porém, mesmo com o aumento dos casos, a situação parece não preocupar a todos. Andar pelas ruas de Rio Branco é se deparar com casos de falta de cuidado.
Máscara no queixo é uma das situações mais encontradas nas ruas. Um equipe da Rede Amazônica esteve nas ruas da capital e muitos só colocavam a máscara quando viam a proximidade da equipe de reportagem.
“Fico agoniada com esse negócio na cara, é muito ruim a gente fica cansada logo”, contou a aposentada Rosa Rodrigues.
Este cansaço é um dos fatores que o infectologista Thor Dantas atribuiu para o início da segunda onda do coronavírus, durante a última coletiva do comitê de Covid do Acre. Cansaço após meses de quarentena e um relaxamento reforçado com a reabertura do comércio.
E se entre os mais velhos a palavra é cansaço, aos jovens parece uma despreocupação. A máscara sai de cena, seja para bater um papo ou para matar a fome na rua.
“Me preocupo, mas estou precisando comer uma bananinha. Estou me cuidando, passei um álcool em gel”, justificou o estudante Rafael Santos sobre estar na rua sem a máscara.
Já o comerciante Breno contou que esqueceu o acessório. “Esqueci minha máscara em casa, pelo costume. Me preocupo, e vou já pegar uma máscara para mim.”
O distanciamento de pelo menos 1,5 metro nas ruas também é raro de se ver. Ainda mais em locais como filas e ponto de ônibus. Muitos querem ficar sentados e aproveitar o espaço disponível nos bancos. Dentro dos ônibus o uso da máscara é reforçado na entrada.
“Eles já sabem e tem o aviso ali [no para-brisa] quando eles vêm o ônibus já tiram do bolso”, contou o motorista Gelisson Monteiro.
Porém, mesmo com a faixa na entrada e a fala do motorista, ainda têm aqueles que preferem cobrir o rosto com a mão do que com a máscara.
Nas ruas, muitas pessoas não usam máscaras
Reprodução/Rede Amazônica Acre
Aumento de mais de 81% entre outubro e novembro
Entre os primeiros 16 dias de outubro e o mesmo período de novembro, os novos casos de Covid-19 no Acre aumentaram em 81,6%. Os dados são de exames positivos divulgados pela Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre).
Em novembro, o estado acreano registrou o quinto maior número de novos casos em 24 horas desde o início da pandemia. No último dia 12, a Sesacre anunciou que tinha registrado 402 casos positivos da Covid-19.
O recorde foi de 524 casos novos em 24 horas, registrados no dia 23 de maio. No dia 22 de maio, foram 240 no mesmo período. Ainda em maio, no dia 27, foram 470 casos. Em 27 de junho, 458 casos, e 1 de julho, 462 casos em 24 horas.
Com o aumento de infectados, a procura por atendimento no hospital de referência do novo coronavírus, o Instituto de Tramautologia e Ortopedia do Acre (Into), dobrou e o número de internações, que também tinha reduzido, voltou a crescer.
A direção da unidade disse que o número de pacientes querendo saber se está ou não com a infecção pelo novo coronavírus aumentou. Antes, era em média 50 pacientes atendidos em 24 horas e o número saltou para 120 a 130 pacientes por dia na unidade.
“Infelizmente, temos visto que as pessoas relaxaram, estão achando que a Covid já passou e ela não passou, está aí. Nós que estamos todos os dias aqui no hospital estamos vendo, muitos casos estão vindo pior do que a gente imaginava, já não vem só para enfermaria, vai direto para UT”, disse Lorena Seguel, diretora do Into.
O reflexo desse aumento também chegou às farmácias. A presidente do Sindicato dos Farmacêuticos no Acre (Sindfarc), Isalbela Sobrinho, disse ao G1, no último dia 10, que não era possível falar em números, mas que foi sentido o aumento tanto por testes rápidos nas farmácias públicas como privadas.
“Tanto as públicas quanto nas privadas, a gente sente o aumento e também o número de casos resolvidos por causa dos medicamentos. Porque, como as pessoas sentem os sintomas e elas detectam rápido, já começam a tomar o medicamento, ou então vão ao posto de saúde e conseguem o receituário, principalmente o antibiótico e elas já vão tomando o medicamento até sair o resultado [do exame]”, afirmou.
Decisão foi tomada entre as duas coligações partidárias da capital em reunião com MP
Arquivo/MP-AC
Avaliação comitê
Já no último dia 13, o Comitê de Acompanhamento Especial da Covid-19 tornou a manter o Acre de forma parcial na faixa de atenção, representada pela cor amarela. Os representantes informaram que a regional do Juruá/Envira regrediu para a fase laranja, que é de alerta. As regionais do Baixo e Alto Acre permaneceram na fase de alerta.
“A gente tem priorizado com base em dados científicos o direito à vida das pessoas desde o início”, afirmou o secretário de Saúde, Alysson Bestene.
O estado está na faixa amarela desde o dia 5 de agosto, quando passou da fase de alerta para a atual fase, a de atenção, e oscilou com duas regionais regredindo de forma alternada.
Retorno das aulas
Após 8 meses com as aulas suspensas, 16 escolas particulares retomam aulas presenciais em Rio Branco, na terça (17). A retomada é opcional para as instituições e unidades de ensino e será dividida em três fases.
O decreto 7.225 autorizou o retorno das aulas presenciais nas escolas particulares com um percentual de 30% da capacidade de alunos no ambiente escolar seguindo todos os protocolos de segurança. O documento foi publicado pelo governo do estado no último dia 6 de novembro no Diário Oficial do Estado e autorizava a retomada a partir do dia 16.
As aulas presenciais nas redes pública e privada estão suspensas desde o dia 17 de março, na semana em que o Acre confirmou os três primeiros casos de Covid-19. Desde então, os alunos têm acesso ao conteúdo escolar pela internet por videoaula, pelo rádio com audioaula, pela televisão e também pelo material impresso adquirido nas escolas.
A autorização só se aplica para as regionais que estão classificadas nos níveis de atenção, representado pela bandeira amarela, ou de cuidado, pela cor verde.
Vídeos: G1 em 1 Minuto-AC com Janine Brasil e Tácita Muniz
Tags .Adicionar aos favoritos o Link permanente.