Profissionais da saúde protestam contra falta de ônibus para trabalhar em Joinville

Decreto municipal suspendeu o transporte público, incluindo linhas especiais utilizadas por servidores que atuam no combate ao coronavírus

A reivindicação de transporte público para o trabalho motivou uma manifestação de servidores públicos municipais de Joinville no fim da manhã desta terça-feira (18), em frente ao Hospital Municipal São José. O ato foi organizado pelo Sinsej (Sindicado dos Servidores Públicos Municipais de Joinville) em razão da suspensão do transporte coletivo após decreto municipal assinado em 9 de agosto como medida preventiva ao coronavírus. A medida também barrou a circulação das linhas especiais voltadas exclusivamente para a locomoção dos servidores da saúde

O sindicato alega que o fato dificulta a atuação desses trabalhadores na linha de enfrentamento à Covid-19. Ainda conforme o Sinsej, há servidores que estão gastando, em média, R$600 com transporte individual por aplicativo. O valor seria proximo à metade dos salários de alguns servidores.

O Sinsej afirma que tentou dialogar com o município e acionou a Justiça para pedir a garantia do transporte.

No fim da tarde da última sexta-feira (14) o secretário da Saúde, Jean Rodrigues, respondeu à diretoria do Sinsej, por meio de mensagem, que ainda não tinha uma solução para o caso. No mesmo dia à tarde, o Juiz da Segunda Vara da Fazenda Pública, Roberto Lepper, deu prazo de três dias para o município se manifestar. Até o momento, não houve manifestação por parte da prefeitura.

A prefeitura comunicou à reportagem que está avaliando a melhor solução legal para resolver o transporte dos profissionais da saúde, mas não informou prazos. 

Ato foi realizado no fim da manhã desta terça-feira em frente ao Hospital São José

Adicionar aos favoritos o Link permanente.