Trump e serviço postal são processados por mudanças que ameaçam votação por correio

Políticos e eleitores que não podem ir pessoalmente às urnas processaram o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, o serviço postal (USPS) e seu diretor para garantir seu financiamento, no momento em que o voto pelo correio se anuncia massivo devido à pandemia do coronavírus.Na ação, apresentada na segunda-feira a um tribunal federal em Manhattan, eles afirmam que, poucos meses antes das eleições gerais de 3 de novembro, o serviço postal impôs “mudanças dramáticas e profundas” que “alteram fundamentalmente as regras de votação por correspondência.”

Eles afirmam que seu diretor, Louis DeJoy, admite que as mudanças afetaram a eficácia do USPS e o tornaram mais lento.

“É praticamente certo que um número significativo de cédulas recebidas pelo USPS, enviadas pelos eleitores no prazo legal, não serão contabilizadas”, afirma a ação.

Trump, que afirma sem provas que o voto pelo correio vai incentivar a fraude eleitoral, ameaçou bloquear fundos adicionais para o serviço postal. Os reclamantes e a oposição democrata dizem que o correio precisa desses fundos para processar milhões de cédulas.

“Mudar a qualidade e a quantidade dos serviços de correio dos Estados Unidos (…) no meio deste ciclo eleitoral irá provavelmente e irreparavelmente prejudicar a todos os envolvidos, sem falar nos danos que causará à integridade do pleito”, afirma a demanda.

Os autores da ação, incluindo o candidato democrata ao Congresso federal Mondaire Jones, pedem aos tribunais que impeçam essas mudanças e garantam seu financiamento adequado antes das eleições.

Outros demandantes são senadores do Estado de Nova York ou candidatos ao Senado Estadual e ao Conselho Municipal, residentes do Estado de Nova York em outros estados ou no exterior, ou idosos demais para votar pessoalmente.

Um recorde de 76% dos eleitores americanos estão autorizados a enviar suas cédulas este ano devido à pandemia, de acordo com o New York Times.

Os procuradores-gerais de vários estados também estão considerando entrar com uma ação legal para preservar o direito dos americanos de votar pelo correio.

“As ações do presidente Trump para impedir o funcionamento (do USPS) antes das eleições presidenciais são profundamente preocupantes.

É uma tentativa autoritária de tomar o poder para mantê-lo”, disse a procuradora-geral de Nova York, Letitia James, na segunda-feira. liderando a iniciativa com colegas de outros estados.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.